English - Español - Française

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Três brasileiros mundiais e musicais

Osvaldo Aranha
Há algum tempo, meu pai escreveu um post muito interessante para o blogue dele, sobre o brasileiro Osvaldo Aranha, um dos responsáveis pela criação do estado de Israel.

É sabido que existem - e existiram - uma porrada imensa galeria de tipos brasileiros reconhecidos no exterior, por seus trabalhos inimagináveis aqui dentro. Mas mais da metade da população brasileira desconhece esses tipos.
Vale a pena gastar um tempo de nossa vida procurando por estes nomes, a título de expandir nossos conhecimentos ou, simplesmente, pura curiosidade. (Pois, como todos sabem, a curiosidade não matou o gato. Talvez o piolho.)

Levando isso em consideração, deixo aqui minha contribuição acerca de três brasileiros reconhecidos por suas obras musicais no exterior:

Assim Falou Zaratustra Em 1883, Frederico Nietzche começou a esboçar o clássico Assim Falou Zaratustra. O livro é um sucesso.
Algum tempo depois (1891), o compositor Richard Strauss - que não é parente de Johann Strauss - compôs uma sinfonia intitulada Assim Falou Zaratustra baseada na obra de Schwarzzenegger Nietzche. A música é um sucesso.
Mais algum tempo depois (1968), o diretor Stanley Kubrick filmou "2001 - Uma Odisseia no espaço", aquele em que os elos perdidos começam a bater os ossos no chão, naquela famosa cena.


Mas o que pouca gente sabe, é que os arranjos da versão de Assim Falou Zaratustra, de Richard Strauss, que a gente ouve no filme, são criações do maestro Eumir Deodato, carioca que trabalhava com Frank Sinatra.

Se os ingleses inventaram o futebol e os brasileiros o transformaram em arte, então Richars Strauss criou a bela composição e Deodato colocou uma pitada de brasileirismo.

Ave Maria no Morro México, 1994. Klaus Meine, vocalista do Scorpions, ajeita o gogó enquanto se prepara para cantar a bela canção Ave Maria no Morro. Na Itália, Andrea Boccelli canta Ave Maria no Morro. Na França, João Gilberto e Bebel Gilberto cantam Ave Maria no Morro. Bono Vox, Nana Moskouri, Helmutt Lovi e mais um sem número de gente boa entoam Ave Maria no Morro mundo afora.


Mas o que pouca gente sabe é que o compositor dessa música, Herivelto Martins, quase foi impedido de fazê-la, por dois motivos:

1) Benedito Lacerda, seu companheiro de composições, tirou os óculos e disse: "Herivelto, isso é música de igreja, deixe isso pra lá. Cadê aquele sambinha esperto pra gente ganhar dinheiro?"

2) Apesar de ser uma homenagem à Maria, a Igreja a considerou uma heresia.

Herivelto morreu em 1992. Dois anos antes da homenagem de Klaus Meine no México. Infelizmente, Herivelto nunca  soube que sua "heresia" ainda encanta plateias no mundo inteiro.

Pantera Cor-de-Rosa "Seria difícil encontrar músico brasileiro (e mesmo estrangeiro) com quem não tenha trabalhado.(...) Alguns dos seus discos de início de carreira são hoje considerados raríssimos e já ultapassam o valor de US$200,00 no mercado para colecionadores."

Agora vocês me perguntam , quem é esse cara? Será Chico Buarque? Tom Jobim? Frank Sinatra? Michael Jackson? NÃO! Esse cara é o maestro parnanguara Waltel Branco.

OBS pertinente: Parnanguara é o gentílico de Paranaguá-PR
 Depois de Curitiba, morou no Rio de Janeiro e em Cuba, afim de  melhorar suas perfomances musicais. É considerado um dos precursores do jazz-fusion, ritmo que apresentou Frank Zappa ao mundo.

Tocou em um trio junto com Nat King Cole ("Unforgettable"), trabalhou com Quincy Jones (produtor de "Thriller", de Michael Jackson) e fez os arranjos de "Chega de Saudade", de João Gilberto, marco da bossa-nova.
Em Cuba, o presidente Fidel quis recuperar a autenticidade da música cubana e, para isso, Waltel foi chamado.
Foi aluno de Andrés Segovia, pai do violão erudito moderno.
Foi arranjador de mais de mil discos históricos da música brasileira.

Ele é o cara ou não é?

Atuamente, gozando de sua aposentadoria após mais de 20 anos dedicados à Rede Globo, Waltel descansa em Curitiba.

Agora, só pra finalizar, deixo aqui um vídeo em que ele toca uma de suas composições (co-autoria com Henry Mancini), famosa no mundo inteiro. Não preciso dizer o nome, você vai reconhecer. Esse é Waltel, o brasileiro.

3 comentários:

APRENDENDO POR AI disse...

É isso aí, vamos enaltecer os tantos valores que temos no Brasil.
Chega de ouvir calados os descalabros a respeito de nossa Nação.
Gosto de ler artigos sobre gente que fez e que faz.
Parabéns pelo post.

Anônimo disse...

maravilhoso post, orgulho para Curitiba.

Tiago disse...

A criação de Israel foi a maior merda ja feita!!! Foi a causa dos conflitos no Oriente Medio e da intervenção dos EUA no mesmo com pretexto de libertar os povos e bla bla bla...tenho vergonha de OSVALDO ARANHA!!!