English - Español - Française

terça-feira, 25 de setembro de 2007

O trote do sequestro

Da sua cela, o preso liga para a vítima.
- Alô, quem fala?
- É Maria. – responde uma voz de senhora.
- Maria? É o seguinte, Maria. Seqüestramos o seu filho e queremos três mil para solta-lo.
- Quem? O Sérgio?
- Isso mesmo! Seqüestramos o seu filho Sérgio!


O suposto seqüestrador entrega o telefone a outro preso.
- Mãe! Me ajuda, eles me seqüestraram! Mãe! – Devolve o telefone.
- É isso mesmo, Maria. A gente seqüestrou o Sérgio! Se você não pagar três mil a gente mata ele.

Silêncio na linha. Dez segundos depois, Maria volta ao telefone.
- Ué, mas acabei de ir ao quarto do Sérgio e vi que ele está dormindo...
- ... – diz o preso.
- Ou será que vocês seqüestraram o meu outro filho?
- ... – diz o outro preso.
- Jeferson? É você que está aí?
- Mãe! Sou eu, o Jeferson! Me ajuda! – diz o outro preso, que devolve o telefone.
- Ai, filho. Não faça nada, viu? Senão eles te machucam. Passa o telefone pro moço pra mamãe falar com ele.
- Alô, senhora? Ouviu só? A gente está com o seu filho Jeferson!
- Mas, moço. A voz dele está tão diferente... O que foi que vocês fizeram com ele?
- Nada, mulher! Não entendeu? Se você não pagar, nóis pipoca ele!
- Deixa eu falar com ele de novo. – pede a mulher.
- Não! Já ouviu o bastante! – grita o suposto seqüestrador.

Silêncio na linha.
- Que estranho... A voz dele está tão diferente. Mas a sua...
- Não interessa! Quer o seu filho de volta?
- Peraí! Deixa eu falar com o Sérgio pra ele levar o dinheiro pra vocês! Onde vocês estão? – pergunta a senhora.
- Em Piraquara. Manda ele trazer logo a grana.
- Tá! Peraí!

Silêncio na linha. Alguns minutos depois.
- Moço, tem alguma coisa errada...
- O que foi, mulher? Vamo logo senão a gente mata ele!
- Eu falei com o Sérgio, aí ele me lembrou que o meu filho Jeferson está preso...
- ...
- E ele também está em Piraquara. Quem sabe você não conhece ele? – explica a mulher.
- Peraí! A senhora tem um filho chamado Sérgio e outro chamado Jeferson?
- Sim, tenho.
- Como é mesmo o nome da senhora?
- Maria.
- Mãe? – grita o preso.
- Quem tá falando?
- Mãe, sou eu o Jeferson!
- Filho! Que saudades! Todo mundo aqui tá com saudades de você, seu danadinho...
- Que legal, mãe. E o pai? E o Sérgio, já se separou?
- Ih, filho. Aquele lá não separa nunca mais. Quem eu acho que vai se separar é eu e seu pai.
- Ah, mãe. Mas por quê?
- Sérgio. É o Jeferson que tá no telefone! – a mulher grita para o filho que está dormindo no quarto.
- Mãe, deixa eu falar com o Sérgio?

Silêncio na linha novamente. A mulher fica pensativa.
- Filho?
- O que? – pergunta o preso.
- Você foi seqüestrado?

Um comentário:

Dani Sena disse...

ótimo esse conto! é uma pena que na vida real não tem um desfecho tão interessante! que o diga minha avó que recebeu um trote desse com o cara dizendo que tinha sequestrado a única neta dela...bixinha! muito bom o blog!
beijos e abraços!